Home » Notícias » Proposta para mudança das Regras Oficiais da Peteca

Proposta para mudança das Regras Oficiais da Peteca

A Confederação Brasileira de Peteca, com base em sugestões e experiências realizadas pela Federação Mineira de Peteca e também pela CBP em eventos da Liga Brasileira e interclubes do Minas Shopping, vem dar conhecimento prévio, aos Senhores Dirigentes das Federações Estaduais e dos Clubes e aos atletas em geral, de proposta para mudança das Regras Oficiais da Peteca e de outros assuntos de interesse da modalidade.

A ideia é que todos os interessados possam estudá-la e formar opinião para discuti-la na próxima Assembleia Geral da CBP, que será realizada em Uberlândia por ocasião do Campeonato Brasileiro de Peteca de 2016.

 

1 – Objetivos da proposta

1.1- Eliminar a restrição imposta pela faixa de idade na formação das equipes e na sua continuidade;

1.2- Obter maior equilíbrio nas disputas e, com isso, tornar a modalidade mais competitiva;

1.3- Tornar a modalidade mais atrativa para o público em geral, patrocinadores e parceiros.

1.4- Valorizar o atleta.

1.5- Facilitar o planejamento e organização de competições de peteca no calendário anual;

1.6- Reduzir os custos do Campeonato Brasileiro para o clube-sede e para a Federação local e, em consequência, facilitar a sua realização em outros Estados e cidades.

 

2 – Mudanças propostas

2.1- Sistema de pontuação e redução do tempo de ataque;

2.2- Mudança do critério de formação das equipes por Categorias de idade para Classes (classificação por nível técnico);

2.3- Alteração do Caderno de Encargos para realização do Campeonato Brasileiro para reduzir os custos para o Clube-sede e para a Federação local;

2.4- Alteração do critério para transferência de atletas entre Estados.

 

3 – Sistema de pontuação e redução do tempo de ataque

3.1 – Adotar em caráter definitivo, como já vem sendo praticado em caráter experimental, o sistema de pontos corridos, com o tempo de 20 segundos para o ataque;

3.2 – A pontuação proposta é de 25 pontos para o primeiro e o segundo sets e de 15 pontos para o terceiro set, se houver;

3.3 – No caso da contagem de qualquer um dos dois primeiros sets chegar a 25 pontos com a diferença de apenas 1 (um) ponto, o set se resolve quando uma das equipes conseguir a diferença de 2 (dois) pontos, devendo ser observado o limite máximo de 31 pontos, momento em que a diferença pode ser de apenas 1 (um) ponto;

3.4 – O terceiro set se resolve quando uma das equipes chegar a 15 (quinze) pontos, mesmo que a diferença do placar seja de apenas 1 (um) ponto.

 

4 – Mudança do critério de formação das equipes por Categorias de idade para Classes (classificação por nível técnico)

4.1 – Divisão atual por Categoria de idade:

Feminino Mirim
Infantil I
Infantil II
Juvenil
Adulto
Sênior
Máster I
Máster II
Até 12 anos
De 13 a 14 anos
De 15 a 16 anos
De 17 a 20 anos
De 21 a 29 anos
De 30 a 39 anos
De 40 a 49 anos
Acima de 50 anos

 

Masculino Mirim
Infantil I
Infantil II
Juvenil 
Adulto 
Sênior
Máster I 
Máster II 
Máster III
Máster IV
Até 12 anos
De 13 a 14 anos
De 15 a 16 anos
De 17 a 20 anos
De 21 a 29 anos
De 30 a 39 anos
De 40 a 49 anos
De 50 a 57 anos
De 58 a 63 anos
Acima de 64 anos

 

4.2 – Proposta de critério de formação das equipes por Classe (classificação por nível técnico), tanto para o Masculino como para o Feminino:

  Classe Sub 14
Classe Sub 17
Classe A
Classe B
Classe C
Classe D
Classe Máster I
Classe Máster II
Até 14 anos
De 15 a 17 anos

De 60 a 66 anos
Acima de 67 anos

 

4.3 – Dentro do conceito de formação de equipes por nível técnico, não há restrição de idade para a composição das equipes das Classes A, B, C e D;

4.4 – Qualquer atleta das Classes Máster pode competir nas Classes D ou C;

4.5 – Qualquer atleta da Classe Máster II pode competir na Classe Máster I;

4.6 – Não é permitida a competição simultânea em duas classes;

5 – Critérios para ranqueamento

5.1 – Cada entidade tem autonomia para avaliar os seus atletas e classificá-los em função de seu nível técnico;

5.1.1 – No caso dos clubes, para participação nos campeonatos estaduais e nos demais eventos em nível estadual;

5.1.2 – No caso das Federações para participação no Campeonato Brasileiro e nos demais eventos da Confederação ou em nível nacional.

5.2 – Sugestões para classificação:

5.2.1 – Comissão avaliadora;

5.2.2 – Torneios de qualificação;

5.2.3 – Histórico de resultados.

 

6 – Mudança de critério para transferência de atletas

6.1 – Pelo critério atual, é permitida a transferência de até 6 (seis) atletas para comporem equipe com 1 (um) ou 2 (dois) atletas do Estado que faz a solicitação.

6.2 – Proposta de novo critério:

6.2.1 – Cada Federação pode decidir sobre a quantidade de atletas a serem transferidos;

6.2.2 – Cada Federação pode decidir sobre os critérios de formação das equipes com os atletas transferidos.

 

7 – Proposta para alteração do Cadernos de Encargos

7.1 – Encargos de responsabilidade do Clube-sede:

7.1.1- Custo da arbitragem, incluindo a remuneração, deslocamento/passagem, hospedagem, alimentação e uniforme (camisetas) para os árbitros;

7.1.2 – Custo dos troféus e/ou medalhas com a caracterização do evento e as logomarcas do Clube, da Federação, da Confederação e de eventuais patrocinadores;

7.1.2 – Disponibilização de mesa de frutas, sucos e água mineral para atletas e dirigentes;

7.1.3 – Alimentação e uniforme (camisetas) para os integrantes da Comissão Organizadora e da Comissão Disciplinar;

7.1.4 – Negociação prévia de condições especiais, no local do evento, para alimentação de atletas e dirigentes em geral;

7.1.5 – Disponibilização de unidade de pronto atendimento (ambulância) para atendimento de emergências de atletas, árbitros, dirigentes e membros das comissões;

7.1.6 – Benefícios adicionais ao mínimo exigido podem ser oferecidos e terão peso na escolha do Clube para sediar o Campeonato Brasileiro;

7.1.7 – Programas e ações de inclusão social, especialmente no esporte, e de conscientização de respeito e proteção do meio ambiente terão peso na escolha do Clube para sediar o Campeonato Brasileiro.

 

8 – Disposições gerais

8.1 – Cada Federação, exceto a Federação Mineira de Peteca, pode inscrever duas equipes na Classe A;

8.2 – Todas as Federações podem inscrever até duas equipes nas Classes Sub 14 e Sub 17;

8.3 – A Confederação pode, de comum acordo com o Clube-sede, abrir a Classe Sub 14 nas categorias Mirim (até 12 anos) e Infantil I (de 13 a 14 anos), desde que haja demanda suficiente, disponibilidade de espaço, tempo e recursos.

Belo Horizonte, 25 de setembro de 2016.

Confederação Brasileira de Peteca

Márcio Alves Pedrosa
PRESIDENTE

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>